Coluna | Quando o fim é apenas um novo começo

| 23 julho 2014 |
ATENÇÃO: Essa coluna contem spoilers dos livros da série “Os Instrumentos Mortais”, principalmente “Cidade do Fogo Celestial”, além de alguns comentários das séries “As Peças Infernais” e “The Dark Artificies”. Não leia se não quiser saber nenhuma informação importante sobre algum desses livros.

Terminar de ler o livro “Cidade do Fogo Celestial”, não foi tão triste ou arrasador quanto terminar outras séries. Creio que tenha sido um final perfeito para uma série perfeita. A série “Os Instrumentos Mortais” chegou ao fim (apesar da saga dos Instrumentos Mortais em si ter terminado em “Cidade de Vidro”), porém, diferente de outras séries como Harry Potter, Divergente ou Jogos Vorazes, sabemos que Cassandra Clare não está dizendo adeus aos seus personagens e ao mundo dos caçadores de sombras e que existem ainda muitas histórias para serem contadas.

Cassandra Clare é uma autora única e excepcional. Escrever todos os livros que ela já escreveu e ainda vai escrever sobre esse universo fantástico que ela conseguiu criar, não é para qualquer um. “Cidade do Fogo Celestial” foi um último livro um pouco diferente. Antes de começar a minha leitura, pensei que estaria em prantos, exatamente como o fim de “Princesa Mecânica”, quando finalmente fechasse a última página, que aquele sentimento de perda estaria me acompanhando por muitos e muitos dias, mas o que eu senti foi completamente diferente.

Há tanto a ser contado ainda, tantas histórias para serem desenvolvidas e, graças a Raziel, sabemos que todas essas histórias estarão em nossas mãos um dia, que é impossível não ficar ansioso pelo próximo volume, o que geralmente não acontece quando lemos uma série que realmente chega ao fim.

Como ler esse livro e não se apaixonar perdidamente por Emma e Julian? Todos os fãs que acompanharam as atualizações de Cassandra Clare sabiam que eles serão os protagonistas da série “The Dark Artificies”, história que se passa 5 anos após o final do último livro da série “Os Instrumentos Mortais” e que ambos são parabatais, portanto não tem permissão de ter nenhum tipo de relacionamento amoroso entre eles. Não é possível realmente conhecê-los em “Cidade do Fogo Celestial” e já não torcer para que eles fiquem juntos ou morrer de ansiedade para finalmente colocar as mãos em um exemplar de “Lady Midnight”, o primeiro livro da série.

Quem quase morreu com a aparição de James Cairstairs (aquele que está presente nos calendários dos irmãos do silêncio gatos de janeiro a dezembro) e Tessa Gray, juntos, no fim do livro? Devo confessar que depois do final de “Princesa Mecânica”, essa era uma das cenas mais aguardadas por mim, e não me decepcionei. Eles são sempre perfeitos juntos, por mais que sempre Irá faltar algo sem a presença de Will, é maravilhoso poder ver um pouco de felicidade voltar à vida de ambos. Podemos perceber o quanto eles mudaram devido a tudo o que aconteceu em suas vidas, mas como o amor entre eles nunca diminuiu, sempre se fortaleceu.

Falando em fortes emoções, tenho certeza que todos os fãs tiveram um momento de pânico enquanto ocorriam as negociações com o pai de Magnus Bane para que eles pudessem voltar ao seu próprio mundo. Todos nós acreditávamos que teriam muito mais mortes do que a quantidade que realmente ocorreu e que um dos seis protagonistas não escaparia dessa com vida, mas, para a nossa felicidade, todos voltaram salvos, por mais que algumas memórias ficaram para trás.

Simon talvez seja um dos personagens que mais nos deixem curiosos para os próximos livros. Por mais que Emma e Julian sejam os protagonistas, eu não acredito que Cassandra Clara não vá citar os outros personagens já tão conhecidos com frequência. Assim como antes do lançamento da segunda parte da serie “Os Instrumentos Mortais”, era de conhecimento geral que o foco da série seria nos personagens Simon, Magnus e Alec, porém, não foi exatamente isso o que aconteceu. A importância deles aumentou imensamente, porém, os usuais protagonistas não foram ofuscados por causa disso. Todos nós queremos saber como e quando Simon irá ascender, como será essa transição, o seu treinamento com um caçador de sombras e quando ele vai realmente se lembrar de seu passado (além do fato que um dia ele já mordeu o Jace :D).

Eu amei ler “Cidade do Fogo Celestial” e considero Cassandra Clare uma de minhas autoras favoritas pois sou apaixonada por séries longas, porém com conteúdo, sempre com algo novo a acrescentar e não somente enrolando para durar vários livros, sem que nos prenda ainda mais a capa novo capítulo. Muito mais que um final perfeito, esse livro foi um começo perfeito para novas aventuras dos nossos queridos caçadores de sombras, que eu ficarei feliz em acompanhar ainda por muitos e muitos anos. E que Raziel continue nos ajudando a controlar a ansiedade. Vamos precisar :D


Também queremos saber o que você achou do final do livro, quais foram as suas cenas favoritas e o que você está mais ansioso para ler sobre o universo dos Caçadores de Sombras. Deixe um comentário com a sua opinião.

8 comentários:

  1. eu amei o final de cidade do fogo celestial,não foi um final triste,foi satisfatorio e ainda teve o Jem e a Jessa,e ainda tem "The Dark Artificies" como não amar Emma e Julian?
    cidade do fogo celestial superou todas as minhas expectativas,eu simplismente amei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é maravilhosa a sensação de que não terminou de verdade, né? :D

      Excluir
  2. Eu anida ñ li mas logo vou ler!! Estou me preparando psicologicamente!! Mas tenho certeza q vai ser perfeito

    ResponderExcluir
  3. Caminho Cultural Blog ótimo :) :)

    ResponderExcluir