Originais

| 30 dezembro 2017 |
Após resgatar Bethany das mãos do Daedalus e serem traídos por Blake, Kate agora está nas mãos da organização que tanto mal causou a família de seu amado. Daemon está desesperado para resgatá-la e está disposto a se entregar nas mãos do inimigo para tê-la de volta em seus braços. Agora, eles descobrirão a que a organização guarda muito mais segredos do que eles poderiam imaginar. Se suas intenções eram boas ou ruins, tudo podia ser questão de um ponto de vista.

O final de “Opala” acaba com o coração de qualquer leitor que acompanha essa série apaixonante. Kate está presa pela organização que controla os Luxens na terra, aqueles do qual a família Black sempre tentou se manter afastada. É terrível acompanhar todas as torturas e humilhações que a protagonista passa nas mãos do inimigo, sem poder se defender. Ao mesmo tempo, descobrimos algumas das reais motivações do Daedalus, o que nos leva a pensar se os fins justificam os meios. Apesar das “boas intensões” sua metodologia talvez seja a mais cruel que possamos imaginar.

Por outro lado, ter Kate e Daemon separados nos dá a oportunidade, pela primeira vez, de ver a história do ponto de vista do alienígena. Sempre tenho um pouco de medo de ler o ponto de vista de algum personagem já conhecido, apaixonante, e me decepcionar, mas não foi o caso. Narrando a história, Daemon consegue ser tão confiante, sarcástico e peculiar quanto pelo olhar da Kate. Ainda temos o bônus de ver o quanto ele é realmente apaixonado, corajoso e totalmente inconsequente quando o assunto é proteger aqueles que ama.

A autora, Jennifer L. Armentrout, construiu uma história que colocou os protagonistas em uma situação impossível de escapatória, o que é sempre genial. Mesmo com toda a superioridade de Daemon, nem ele conseguiria sozinho escapar de pessoas que por tantos anos subjugaram a sua espécie. Aliados improváveis, novas espécies, poderes nunca antes vistos, elevam o nível de uma saga já tão impactante.

Nesse livro, temos Kate e Daemon em uma situação muito semelhante a que Dawson e Bethany viveram por anos. É possível perceber pelos outros livros o quanto o confinamento naquele lugar afetou o casal, mas agora descobrimos exatamente o porquê. Kate é muito forte, e não estou falando de seus poderes de híbrida, mas toda a tortura que é imposta a ela, física e mental, mesmo após a chegada de Daemon, pode destruir qualquer pessoa. Estar longe de sua mãe e de tudo o que ela ama, já seria tortura o suficiente, se ela não fosse obrigada a passar por situações tão cruéis.

Os “Originais” do título são seres que eu jamais imaginei que a autora poderia criar. Eles são tão instigantes quanto assustadores. Impossível não pensar em Daemon e Kate, no futuro de ambos, ao entender o que são essas criaturas tão poderosas e como elas são geradas.

O quarto livro da Saga Lux é tão apaixonante quanto os seus predecessores, mas eleva muito a narrativa iniciada com “Obsidiana” ao nos apresentar a fundo uma temida organização, novos seres, personagens e situações de proporções épicas. O final desse livro é um convite para perder a cabeça tentando esperar pelo próximo. Mal posso esperar para conferir o que a autora preparou para o final dessa saga de outro mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário