A Menina Que Roubava Livros

| 07 fevereiro 2018 |
Autor: Markus Zusak
Editora: Intrínseca
Páginas: 480
Gênero: Ficção

Sinopse: A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.

Indicado para quem gosta das obras:

- O Caçador de Pipas, de Khaled Hosseini
- A Cidade do Sol, de Khaled Hosseini
- O Menino do Pijama Listrado, de John Boyne

Frases marcantes:

“Primeiro, as cores.
Depois, os humanos.
Em geral, é assim que vejo as coisas.
Ou, pelo menos é o que eu tento.” Página 9

“Eis um pequeno fato.
Você vai morrer.” Página 9

“Ao longo dos anos, vi inúmeros rapazes que pensam estar correndo para outros rapazes. Não estão. Eles correm para mim.” Página 158

“- Que tal um beijo, Saumensch?” Página 217

“Numa janela da rua Himmel, escreveu Max, as estrelas puseram fogo em meus olhos.” Página 330

7 comentários:

  1. Esse livro parece ser muito bom mesmo!
    E apesar de parecer ser bem triste,tenho vontade de lê-lo. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que você consiga ler ;D
      Separe os lencinhos e depois me conte o que achou.
      Beijos!!!

      Excluir
  2. Um dos meus livros favoritos <3
    Li ele faz alguns anos e preciso ler de novo!

    Adorei o post!

    Beijos
    Inverno de 1996

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre vale a pena reler grandes histórias, né? <3

      Excluir
  3. Oi, Jana!
    Li A Menina Que Roubava Livros anos atrás e amei, e chorei... sim, sou uma manteiga derretida rsrs, mas esse livro é muito emocionante, né?!
    Ótima dica! Amei as frases marcantes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem como não chorar, né?
      Também fiquei desidratada lendo esse livro rsrs
      Beijos!!!

      Excluir
  4. Um dos meus livros preferidos. Li no ensino médio. Lembro que demorei bastante de ler as primeiras folhas, ele realmente tem um inicio arrastado, o que faz muitas pessoas pararem de ler (nenhum dos meus amigos terminaram, abandonaram mesmo). Eu persisti e me encantei. Chega uma parte que não conseguimos parar a leitura até finalizar.

    ResponderExcluir