Esperando Bojangles

| 24 fevereiro 2018 |

Um garoto narrando a história de pais peculiares. Um mundo de loucuras diversas, incoerências e verdades indecifráveis.  Uma narrativa complicada de se entender, assim como a vida dos protagonistas dessa história vivida intensamente.

Uma vida de excessos, ou uma vida bem vivida? Uma mãe que acredita que vida é uma eterna festa. Um pai que está apto a satisfazer todas as vontades de sua esposa, por mais lunáticas que elas sejam. Uma criança que cresce acreditando que aquela vida era algo normal e corriqueiro, que sua professora não estava certa em obrigá-lo a cumprir horários e que a verdade sempre deve ser tingida com tons extravagantes de mentiras.

Uma obra tão incrível quanto surreal.  Os personagens principais trazem para as páginas toda a loucura e incoerência que eles levam as suas vidas.

A narrativa é crua e desnuda a visão do pai e da criança exatamente como eles veem o mundo ao seu redor. Diferentemente do que poderíamos imaginar, a visão da criança é muito mais ampla e coerente do que outras da mesma idade, apesar de já muito distorcida pela visão dos pais.

Enquanto isso, o pai, alguém que parece ser mais sensato que a mãe, no fim das contas, deixa toda a paixão e o amor que ele sente transformar o ambiente em que eles vivem em uma pintura colorida fora do mundo. Um lugar de danças, grandes aves desfilando pela casa, fugas mirabolantes e muita loucura.

Aparentemente, apenas no final, encontramos finalmente um pouco de sensatez, em um mundo de tantas loucuras, mesmo que essa sensatez venha acompanhada de algo muito definitivo.

“Esperando Bojangles” é uma obra para ler e apreciar a loucura, entender que um estilo de vida pode ser passado para as páginas e traduzido ali sem censuras ou intermédios que facilitem o entendimento. Uma experiência literária única!

Nenhum comentário:

Postar um comentário