Temporada dos Ossos

| 10 fevereiro 2018 |
Ter poderes sobrenaturais não é algo seguro. Scion não é um lugar que aceita pessoas que tem contato com o mundo dos espíritos ou qualquer tipo de poder incomum. Se você não encontrar a proteção de um sindicato, está a sua própria sorte. Estar a sua própria sorte significa que você pode ser capturado pelo governo e desaparecer. Paige pertencia a um sindicato, mas percebe quem nem isso poderia mantê-la segura. Ela descobriria na própria pele o que acontece com aqueles que desaparecem.

Paige é uma Andarilha Onírica, uma classe muita rara de clarividentes com o poder de fazer seus espíritos deixarem os seus corpos e invadirem as mentes de outras pessoas. O fato dela possuir esse poder era um crime, por isso ela trabalha para Jax, um clarividente poderoso que usava suas influências para controlar um sindicato e manter todos os seus “empregados” em segurança.

Ao fazer uma visita ao pai, que não sabia nada sobre os crimes que a filha cometia, Paige é finalmente capturada pelo governo e levada para Oxford. Lá ela conhece os temidos Rephaites, seres imortais, extremamente poderosos e que se alimentam de áureas de clarividentes. Devido à presença no mundo de criaturas grotescas, que se alimentam de carne humana, o governo e os Rephaites têm um acordo que consiste em levar clarividentes para Oxford, para serem treinados para lutar contra esses seres monstruosos, os Enim.

Paige chega a Oxford e descobre que o lugar nada mais é que uma prisão para aqueles com poderes sobrenaturais. Você pode evoluir naquele lugar e conseguir melhores condições de vida, contanto que obedeça toda e qualquer ordem e seja sempre submisso aos Rephaites. A protagonista se revolta desde o primeiro momento com essa situação, mesmo tendo como guardião um dos mais temíveis Rephaites, aqueles que todos conhecem como O Mestre.

Há alguns anos, quando ouvi falar dessa obra pela primeira vez – e assim como está na contracapa do livro –, a autora, Samantha Shannon, estava sendo comparada a rainha da fantasia J.K. Rowling. Sou completamente apaixonada por Harry Potter e sempre fico receosa quando uma obra é comparada a série de fantasia mais incrível de todos os tempos. Rowling sempre vai ser minha autora favorita, mas não posso negar que esse livro me impactou de uma forma única. Terminei de ler sabendo que tinha acabado de visitar um universo sem igual, o qual eu quero conhecer ainda mais.

No primeiro livro da série, somos apresentados a Sete Ordens dos Clarividentes. Cada um com seus dons e peculiaridades, raros ou não, mas todos são considerados uma ameaça para o governo. Oxford é como um regime de escravidão em que os Rephaites governam e os seus clarividentes obedecem sem discussão. Paige considerava seu sindicato sua família, e não acreditava, muito mesmo aceitava, estar sujeita a aquela tirania sem fim.

O Mestre, Arcturus, um dos Rephaites mais poderosos e noivo de Nashira, comandante dos Rephaites, era o responsável por treinar Paige, fazer com que desenvolvesse todas as suas habilidades, porém ele não a tratava como um senhor trata seu escravo, assim como todos os outros Rephaites tratavam seus clarividentes. Apesar de qualquer coisa que ela fizesse, ele continuava a respeitando e tentando ajudá-la, algo que por muito tempo intrigou a protagonista.

A relação entre eles não é algo simples de entender. Durante a maior parte da narrativa não conhecemos as reais motivações de Arcturus, então nós, assim como a protagonista, desconfiamos o tempo todo daquele tratamento privilegiado que ela recebe. Mesmo quando Paige salva a vida de seu mestre, ele a trata com indiferença, a faz esconder segredos de Nashira e a protege de quem possa querer machucá-la. Uma relação totalmente incoerente, intrigante, mas que traz para uma trama, já tão bem elaborada e complexa, um toque fundamental de insegurança e incertezas.

O livro “Temporada dos Ossos” é o primeiro passo de uma série realmente fenomenal. A autora conseguiu nessa obra começar e terminar um ciclo de sua história, mas deixando abertas uma série de questões para os próximos volumes. Harry Potter continua em primeiro lugar em meu coração, porém “Bone Season” não só já conseguiu o seu espaço, como garantiu um lugar de honra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário