Eternidade?

| 02 março 2018 |

Quem imaginou que Alexia Tarabotti se tornaria uma mulher casada, mãe de família e não se envolveria mais em confusões, nem ninguém tentaria acabar com sua vida. Porém, se as coisas se mantivessem dessa forma, não estaríamos falando de Alexia. Primeiramente, seu marido é um lobisomem, a filha uma sugadora de peles, e agora a Rainha vampira mais velha da história convoca a família Maccon para o Egito, um convite irrecusável. Ela tem interesse em conhecer a filha de Alexia, por motivos incompreensíveis.

É muito complicado escrever uma resenha de um livro que amamos. Quando esse livro é o último de uma de suas séries favoritas, é quase impossível descrever o quanto o livro é fantástico e o quanto essa série é única.

Sempre amei a forma como a autora, Gail Carriger, escolheu para narrar a sua história. Tão espirituosa, uma forma realmente marcante e singular de conduzir a história e os personagens. Dificilmente encontraremos em outro livro uma protagonista tão perspicaz, inusitada e “eloquente” quanto Alexia Tarabotti.

No último livro da série, o casal Maccon ainda está vivendo no closet de Lorde Akeldama, pai adotivo de Prudence, o que ocorre de forma melhor do que poderíamos esperar. Prudence é única. Dificilmente um ser imortal já conheceu um ser fruto da união de um sobrenatural com uma preternatural. Até a Rainha Matakara, a sobrenatural mais antiga de que se tem notícias, quer conhecer a criança. Alexia, que nunca dispensa um bom desafio, seja ele qual for, embarca com a família e um grupo de teatro para o Egito, sem fazer ideia do que os esperava.

O ponto chave dessa obra é a resolução de vários mistérios apresentados nos livros anteriores. Se o pai de Alexia causou um rebuliço no mundo sobrenatural quando estava vivo, com a filha não poderia ser diferente, mesmo que a mesma tentasse apenas entender, ou corrigir, as atitudes do pai.

Enquanto o casal Maccon está viajando e descobrindo segredos, também é incrível estar a par de todas as situações e revelações que estão ocorrendo na alcateia na ausência de seus alfas. Professor Lyall e Biffy surpreendem com revelações totalmente opostas. Enquanto o sempre leal tem seus segredos mais sombrios revelados, aquele que não se ajustava a alcateia se mostra mais importante do que muitos dos outros membros.

Aliás, revelações e personagens ambíguos não faltam nesse livro, porém, é impossível desconfiar dos verdadeiros culpados e confiar nas pessoas certas. Todos parecem ser suspeitos e os verdadeiros culpados não poderiam parecer mais inocentes.

Prudence, filha de Alexia, é um deleite a parte. Claro que a filha da preternatural não poderia ser uma criança comum. A autora conseguiu narrar o encantamento da mãe, claro que do jeito Alexia de ser, sem deixar de nos passar o quanto a criança é esperta e atenta para a sua idade. Apesar da capacidade de comunicação ainda não estar apurada, Prudence, a sua maneira, diz tudo o que ela julga necessário, além de já ser alguém de opinião forte. Se os adultos não a entendem, isso não é problema dela.

O fato do casal Maccon viajar juntos nos remete um pouco ao primeiro livro da série, quando o relacionamento de Conall e Alexia estava no auge da narrativa. Devido aos acontecimentos dos outros livros, e separações não planejadas do casal, foi possível sentir falta de toda a paixão que apenas esse casal é capaz de nos passar, mas para quem estava com saudade, esse livro é um presente.

“Eternidade?” é o final de uma série absurdamente perfeita! Alexia comandou o “Protetorado da Sombrinha” com toda a sua elegância, sempre dizendo o que achasse pertinente, defendendo as boas normas de como se vestir para se apresentar em público, sem nunca deixar de investigar tudo o que estivesse ao seu alcance – enlouquecendo seu marido – e encantando os leitores. Essa é uma série que realmente merece ser lida e como, infelizmente, não somos imortais, sugiro que comece agora mesmo. Pegue o seu chá e mergulhe nesse universo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário