É assim que acaba

| 16 abril 2018 |

Uma criança que cresceu em um lar violento. Lily prometeu que nunca permitiria que um homem agisse de forma violenta com ela, assim como o pai sempre tratou sua mãe. O único bálsamo de sua adolescência foi Atlas. Ele não tinha nada, nem casa, roupas ou família, mas tinha o principal, muito amor e respeito por Lily. Ela cuidou dele enquanto pode, até que o mesmo finalmente encontrou um tio que o amparasse. Muitos anos depois, Lily conhece Ryle. Um homem mais que perfeito. Lindo, charmoso, um médico muito bem-sucedido, mas com aversão a relacionamentos, até que Lily entra em sua vida.

Tudo deveria ser perfeito, até que um ciclo começa a se repetir. A protagonista, que criticou a mãe por muitos anos por ter permitido viver por tanto tempo em um relacionamento abusivo, se vê exatamente na mesma situação. Mas ela amava Ryle e ele a amava, então seus atos poderiam ser considerados um acidente? Um momento de fraqueza? Esse é o momento em que Atlas ressurge em sua vida e tudo o que Lily acreditava ser perfeito começa a desmoronar. Poucos minutos, um único gesto, pode mudar a vida de alguém para sempre.

Apesar de já ter lido outras obras da autora Collen Hoover, nenhuma me impactou de maneira tão cruel quanto esse livro. Em “Métrica” e “O Lado Feio do Amor” temos histórias muito tristes e marcantes, mas que são pontuadas por grandes tragédias ou acidentes que abalaram de forma irremediável a vida dos protagonistas. Nesse livro, a protagonista tem uma infância muito difícil, com um pai que agia de forma extremamente violenta com a mãe, mas ela conseguiu superar esse fato e encontrou um grande amor, realizou o sonho de ter seu próprio negócio e é imensamente feliz. Até que um único momento muda tudo.

Ryle é aquele personagem que nós nos apaixonamos à primeira vista. Ele é charmoso a sua maneira e muito sedutor. Um homem que foca sua vida completamente em sua carreira, mas não consegue resistir ao charme de Lily. Para alguém que nunca teve um relacionamento sério, ele não poderia ser mais perfeito. Tanto a protagonista, quanto os leitores, já estão completamente apaixonados por ele em um determinado momento do livro. Impossível não desejar um homem daqueles em sua vida. Exatamente por essa razão que é tão chocante, totalmente imprevisível e completamente impossível de se aceitar, quando a primeira agressão acontece.

A autora conseguiu realmente abrir um novo ponto de vista para qualquer pessoa que ler esse livro. Não digo falando do agressor, nenhuma agressão, jamais, em tempo algum, deve ser aceita ou ficar impune. Eu digo do ponto de vista da vítima. É muito fácil criticar como alguém pode se sujeitar a um relacionamento no qual ela é agredida. É impossível entender como alguém pode aceitar e perdoar um acontecimento desse tipo, mas esse livro nos faz entender um pouco mais do que pode se passar na cabeça da pessoa que é agredida.

Lily não é uma mulher fraca ou sem recursos. Ela teve na infância a experiência do que é viver em um relacionamento onde um homem agride a sua esposa e, mesmo assim, consegue perdoar por algumas vezes as atitudes de seu marido. Como seria possível que um homem que era mais parecido a um príncipe encantado, montado em seu cavalo branco, levantar a mão para sua princesa? Se é quase impossível, como leitor, aceitarmos isso, imagine a personagem, ou uma vítima real, passando por isso?

Essa é uma obra realmente de partir o coração. Comecei o livro achando que leria sobre um triângulo amoroso, onde a protagonista teria que escolher entre o amor de sua adolescência e seu atual marido, mas o livro é tão mais profundo, vai tão além disso que nós choramos, tentamos entender e amargamos cada escolha que é feita até o derradeiro final.

Três personagens que carregam na vida traumas de uma infância e adolescência marcadas por abandono, violência ou tragédias. Três vidas que evoluíram de formas completamente diferentes. Três almas que conseguiram superar, ou não, seu passado, construindo um futuro incrível e promissor, mas que pode ser abalado em apenas um momento, em apenas uma ação, seja ela seguida, ou não, do arrependimento.

“É assim que acaba” é um livro sobre amor e crueldade. As verdades aqui serão passadas para o leitor de forma “nua e crua”. Veremos uma forma completamente condenável de relacionamento, mas que será difícil condenar completamente. Você irá se sentir mal, sofrer, tentar entender as razões e escolhas dos protagonistas, mas no final, mesmo se a felicidade for encontrada, não conseguirá realmente fechar a última página sem sentir o coração apertado de angústia, principalmente com as notas finais da autora.

Um livro deve lhe causar grandes emoções, virar sua cabeça, te fazer repensar fatos que sempre foram concretos em sua mente e te chocar muito por isso. Leia essa obra e tente não se impactar com tamanha maestria de uma autora sem precedentes.

Um comentário:

  1. Li alguns livros da autora. E me emocionei com cada um deles.
    E vejo pela resenha,que vou me sentir da mesma maneira ou até mais emocionada com o livro que resenhou.
    Muitas mulheres muitas vezes sofrem em relacionamentos abusivos, justamente por terem conhecido seus parceiros de outra forma..."príncipes encantados"!
    Bem, já faz um tempo que desejo ler esse livro.E espero gostar tanto quanto você. :)

    Bjs

    ResponderExcluir