Perdão Mortal

| 23 outubro 2019 |

Editora: Plataforma 21


Ismae nasceu marcada como uma filha da Morte. Seu pai de criação a odiava, a mãe tentou matá-la antes mesmo que ela nascesse, e o seu destino parecia estar selado ao ser entregue em casamento para um homem tão cruel e agressivo quanto o próprio pai. Ser salva por aquela que entregou a sua mãe o veneno que tentou matá-la foi uma surpresa, porém, conhecer um convento que servia ao seu verdadeiro pai, e ser treinada para se tornar uma arma totalmente mortal, era algo que ela jamais poderia imaginar.

No primeiro livro da série "O Clã das Freiras Assassinas" a autora, Robin LaFevers, nos apresenta a história de Ismae. Ela não passava de uma menina maltratada por todos, que não conhecia o amor, nem dentro de sua própria casa, e não tinha nenhuma esperança para o seu futuro. Ao ser levada para o convento, lugar onde ela, pela primeira vez em sua vida, foi tratada com carinho, alimentada e treinada para, além de servir ao seu mestre, pudesse se defender de qualquer um que tentasse machucá-la novamente, ela só podia ver com bons olhos, e sem nenhuma desconfiança, qualquer uma de suas ordens.

Tudo muda quando Ismae conhece Duval, irmão bastardo da duquesa, a quem ela tinha que proteger, além de descobrir quem está tramando contra a soberana dentro de seu próprio domínio. O convento desconfia de Duval, mas a duquesa confiava plenamente no irmão e Ismae começa a entender os motivos. Ela só não sabia distinguir se a sua confiança era fruto do seu treinamento, ou de algo impactante que, pela primeira vez, surgia em seu coração.

É incrível como a autora foi perspicaz ao escrever essa narrativa. Acompanhando todos os desdobramentos do ponto de vista da protagonista, é impossível descobrir quem são os verdadeiros culpados, se suas ordens vieram realmente de seu Deus e quem de dentro do palácio estava tramando contra a duquesa.

Sempre temos aqueles suspeitos óbvios, porém, a apreensão é gigantesca quando cada vez mais fatos são revelados e, aqueles que confiamos cegamente durante todo o livro começam a também terem seus segredos vindo à tona, trazendo novas informações que embaralham ainda mais nossas mentes e sentimentos.

Ismae é uma protagonista forte. Mesmo antes de seu treinamento, ela se mostra uma mulher que lutaria até o fim contra aos maus tratos a que era submetida. Sendo agora completamente letal, seria de se imaginar que tudo nela fosse blindado contra qualquer ameaça externa. Por essa razão é tão incrível acompanhar a sua primeira paixão, o primeiro homem que lhe causou medo por motivos completamente diferentes. Medo de perdê-lo, medo de que ele fosse culpado, medo de realmente não conhecê-lo.

Essa é uma narrativa onde o ponto principal são alianças e guerras políticas, onde todos são suspeitos até que se prove o contrário, portanto, alguém como Ismae deve usar sua mente e seu coração aliados, para descobrir quem realmente merece receber a ira de seu pai e Deus.

"Perdão Mortal", além de contar a história de uma protagonista incrível como Ismae, também nos apresenta as protagonistas dos próximos livros, nos deixando muito ansiosos pelas continuações. Foi fantástico conhecer alguém tão forte, ao mesmo tempo tão frágil, como Ismae. Alguém que foi salva por um convento, mas não mede esforços para fazer o que acha que é certo, mesmo que vá contra tudo aquilo que lhe ensinaram. Uma protagonista de muito valor, que vale muito a pena conhecer.

3 comentários:

  1. Olá! Essa série já está na minha lista de leitura faz tempo, curto muito esse gênero e essa resenha agora me deixou ainda mais curiosa em conferi isso tudo que foi dito aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Conhecer personagens femininas destemidas como a Ismae, é sempre gratificante. Assim como também de vê-las apaixonadas. Pois sim! Gosto de livros cheios de ação, personagens fortes,mas que também tem sentimentos...
    Já faz um tempo que desejo ler esse livro. E confesso que me interessei primeiro pela capa, que acho linda!


    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Richard Miller RM 016 richiede estese operazioni di stampaggio e lavorazione durante il processo di fabbricazione. Prima di iniziare la produzione, sono necessari più di 18 giorni per la messa in servizio della macchina, oltre 400 ore di ricerca tecnica e disegno.replica orologi La produzione di ciascun modello prevede 202 operazioni di lavorazione separate, il che significa che il ciclo di produzione di ogni RM 016 non è troppo breve e la qualità è rigorosamente controllata,breitling replica che è anche il luogo prezioso per l'orologeria di marca.

    ResponderExcluir